Janvier 3, 2021
Par Monde Nouveau
243 visites


Ao afirmar que “há apenas uma tradição anarquista, e ela está enraizada no trabalho de Bakunin e da Aliança”, os autores de Black Flame convocam o movimento libertário a aceitar seu ponto de vista, com exclusão de todos os outros, o que não é exatamente um bom início quando se afirma que não se quer criar uma ortodoxia.

Por outro lado, há uma certa inconsistência em afirmar que somente o legado de Bakunin pode ser qualificado como anarquista, ao mesmo tempo em que se inventa um conceito de “ampla tradição anarquista” no qual se acumulam pessoas, movimentos, organizações qualificadas como anarquistas (mesmo que recusem esse qualificativo), e cujas raízes na obra de Bakunin não são de modo algum óbvias.

Finalmente, dizer que existe “apenas uma tradição anarquista”, “enraizada na obra de Bakunin e da Aliança” efetivamente exclui todos os outros pensadores anarquistas, exceto, é claro, se considerarmos que eles também estão enraizados na obra de Bakunin : haveria muito a dizer sobre o “enraizamento” de Kropotkin e Malatesta na obra de Bakunin. A maneira como Schmidt e van der Walt abordam sua reflexão sobre o anarquismo consiste em fechar o maior número possível de portas.




Source: Monde-nouveau.net